Mais um problema, e agora?


Um dia presenciei algo que me chamou muito a atenção. Estava em um ônibus da linha 415 no Rio de Janeiro a caminho do trabalho. Em certo momento, o ônibus parou em um ponto na Avenida Princesa Isabel abrindo a porta de saída. Dois garotinhos tentaram entrar por esta porta, mas o motorista rapidamente acionou o fechamento e com isso apenas um deles ficou dentro do ônibus. Ele ficou “doido”. Ele estava dentro do ônibus e seu amigo do lado de fora e o veículo já iria começar a se locomover. O menino bateu na porta e depois falou:

- Abri “prá” mim moço!

O cobrador do ônibus respondeu:

- Como você entrou? – Falou com voz sarcástica – Essa porta não é para entrar. Agora você vai ficar aqui dentro.

O menino endoidou. Mas rapidamente ele teve uma ideia: Passou por de trás de um banco para pular pela janela. O trocador nesse momento falou:

- Você não pode pular ai não moleque! Você vai se machucar!

O menino parou e falou novamente:

- Abri “prá” mim moço!

Mas o motorista não abriu e ainda deu uma acelerada. O garotinho não teve dúvidas, se enfiou por entre os bancos e pulou pela janela. Olhei para fora do ônibus e estavam os dois amigos juntos novamente, rindo do acontecido.

Esse menino me mostrou algo que acho interessantíssimo: Resolver problemas.

A vida nos traz situações adversas a todo o momento e o que nos cabe é como vamos enfrentá-las. Utilizando a situação do garotinho como exemplo, podemos verificar alguns posicionamentos diante de um problema:

Pedir ajuda: O garotinho se viu diante de um problema e rapidamente pediu ajuda. A ajuda poderá ou não ser dada. Há momentos em que alguém pode nos ajudar e nos livrar de um “pepino”, mas nem sempre será assim. Pode acontecer algo pior como no ocorrido. O garotinho pediu ajuda e quem poderia ajudá-lo piorou ainda mais a situação, dizendo de outra forma: “Agora você vai ver!”;

Não fazer nada: O garotinho poderia não fazer nada e aguardar a porta ser aberta em outro ponto e voltar a pé. Mas esse outro ponto de ônibus poderia ser muito longe e ele iria enfrentar outro problema. Isso pode acontecer conosco: Para nos livrar de um problema aceitamos outro que poderá ser de menor escala. Mas não é certeza que o outro problema será de menor escala. Ao mudarmos de problema as circunstâncias também mudarão e isso poderá agravar ou amenizar o problema.

Agir rapidamente na solução: Essa foi a alternativa utilizada pelo garotinho. Ele tinha segundos para solucionar seu problema e conseguiu. Na vida há momentos em que precisamos resolver rapidamente, pois se isso não for feito o problema pode agravar. E nesses casos a pressão parece que até aumenta a velocidade de nossos pensamentos, direcionando nosso cérebro para pensar em apenas resolver. Nem pensamos nas possíveis consequências que a solução pode nos trazer, queremos apenas resolver. No caso do garotinho, a solução utilizada poderia causar outro problema grave: Uma perna quebrada. E esse problema seria maior do que o que estava enfrentando no momento. Mas o menino não deu importância, correu para a solução. Ele foi corajoso.

Mais um problema, e agora? Acredito que a melhor resposta é: Ser corajoso. Para enfrentar um problema precisamos de coragem. Independente da solução que escolhermos precisamos ser corajosos, pois a alternativa escolhida poderá trazer outros problemas, maiores ou menores, mas isso não poderá ser o fator determinante para a atitude, a coragem sim é determinante.

Coach Emocional

Palestras sobre Inteligência Emocional e liderança

  • Facebook Social Icon

© 2018 por INNOVA - Desenvolvendo pessoas

www.innovagente.com.br

  • Instagram
  • Facebook Social Icon
  • YouTube Social  Icon